Verminosos por futebol




Viagem no tempo

13 curiosidades sobre o Kichute

As Havaianas viraram case de reposicionamento de marca. Considerado como “chinelo de pobre” até o início da década de 1990, […]

Kichute
O Kichute, tênis-chuteira, foi uma febre nacional nas décadas de 1970 e 1980 (Fotos: Divulgação)

As Havaianas viraram case de reposicionamento de marca. Considerado como “chinelo de pobre” até o início da década de 1990, a sandália de borracha se tornou item de desejo, no Brasil e no exterior. Muitos saudosistas sonham que isso acontecesse também com o Kichute, tênis que saiu de mercado. Pois que esperem sentados.

A Alpargatas, proprietária de ambas as marcas, não parece disposta a retomar a fabricação do Kichute. E nem mesmo tem interesse em falar sobre o assunto. Em contato do Verminosos por Futebol por e-mail, a líder da indústria calçadista na América Latina informou que, por normas internas, não poderia responder as questões enviadas.

Kichute 2
O tênis Kichute já foi uma marca muito forte

Lançado em 1970, o Kichute era um misto de tênis e chuteira, feito de lona e solado de borracha com cravos. Foi um sucesso nacional durante duas décadas, mas entrou em decadência com a profusão de calçados esportivos brasileiros e estrangeiros, até ser aposentado. A maioria das marcas concorrentes recebia tecnologia de fabricação amplamente superior, motivo de seu declínio.

Não por coincidência, entre as marcas da Alpargatas estão Topper, Rainha e Mizuno. Sem dúvida, são tênis esportivos reconhecidos, mas que não chegaram nem perto do apelo emocional que conquistou o Kichute. Pena que, hoje em dia, só sabe disso quem possui mais de 30 anos.

13 curiosidades sobre o Kichute:

1) Na onda do tri
O produto foi lançado durante a última semana da Copa do Mundo de 1970, no dia 15 de junho.

2) Febre nacional
Entre 1978 e 1985, a marca vendeu 9 milhões de pares anualmente, cerca de 10% da população brasileira.

Kichute 3
3) Calçado 2 em 1

O Kichute é precursor dos tênis que também servem de chuteira, em virtude dos cravos de borracha.

4) Nada de colorido
O tênis era uma espécie de instituição em colégios, que na época exigiam uso de calçados pretos.

Kichute-tornozelos
5) Cadarço de vários nós

Dizia a lenda que quem os amarrava os cadarços por entre o pé era bom de bola. Quem amarrava nos tornozelos era perna-de-pau.

6) Investimento pesado
Craques do futebol brasileiro já foram garoto-propaganda do Kichute, como Zico no auge.

7) Cheirinho desagradável
Um dos problemas do Kichute era o maldito chulé após usar o tênis, que esquentava muito no sol.

8) Apelo dos saudosistas
Existe uma comunidade no Facebook que pede o retorno do calçado, a “Quero a volta do Kichute“.

Kichute 5
9) Ah uma dessas lá em casa!

O Kichute também lançou bolas de futebol de campo e salão com a marca. Preciosidades!

10) Coisa de grife
Estilistas famosos como Alexandre Herchcovitch já usaram o tênis em suas coleções.

11) Esse era forte!
Na década de 1990, o uniforme dos garis de São Paulo incluía Kichute, pois durava uma vida.

12) Nas telas do cinema
O calçado inspirou um filme, Meninos de Kichute, lançado em 2009, adaptação de livro homônimo de Márcio Américo.

13) Marca offline
Sinal do desinteresse da Alpargatas com o Kichute, até o site da marca foi desativado: www.kichute.com.br.

Site da Alpargatas:
www.alpargatas.com.br

Clique no link e leia também:

Umbro-investe-em-clubes-medios-do-brasil
www.verminososporfutebol.com.br/carrinho-de-compras/umbro-investe-em-clubes-medios-do-brasil


// Categorias

// Histórico de Publicações

// As mais lidas

Quer ser o primeiro a receber nossas novidades por e-mail?

// TV Verminosos

// Instagram

// Tags

Compartilhe: