Verminosos por futebol




Viagem no tempo

Quais eram as maiores torcidas do país em 1971, segundo a Placar

Pesquisa da Gallup mostrou as maiores torcidas em Rio, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre

O Flamengo tinha a maior vantagem nas quatro capitais avaliadas em 1971 (Foto: Reprodução Placar)
O Flamengo tinha a maior vantagem nas quatro capitais em 1971 (Foto: Reprodução Placar)

No fim de seu segundo ano de existência, a revista Placar encomendou ao Instituto Gallup uma pesquisa para mostrar quais eram as maiores torcidas em Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre, as quatro cidades com futebol mais tradicional no país. A reportagem, a primeira desse gênero na história da publicação, foi publicada nas edições de 31/12/1971 e 7/1/1972. E confirmou teses e derrubou mitos.

O Verminosos por Futebol faz abaixo um resumo das descobertas dos pesquisadores.

Torcidas no Rio de Janeiro

1º Flamengo – 35%
2º Vasco – 18%
3º Fluminense – 16%
4º Botafogo – 14%
5º América – 3%
6º Bangu – 2%
Nenhum – 12%

> Entre 10 e 17 anos:

1º Flamengo – 46%
2º Vasco – 17%
3º Botafogo – 16%
4º Fluminense – 10%
Outros ou nenhum – 11%

> Análise:

A pesquisa confirmou a superioridade da torcida do Flamengo, e adiantou uma previsão: a vantagem cresceria ainda mais nos anos seguintes, em virtude da popularidade entre os jovens. Nos menores de idade, o Flamengo chegava a superar Vasco, Botafogo e Fluminense juntos. E, detalhe, Zico só tinha estreado pelo time profissional naquele ano de 1971.

Entre classes econômicas – As classes C e D eram significativas nas torcidas do Flamengo (60%) e do Vasco (50%). O Fluminense, diferentemente do que se imaginava, tinha proporção alta entre classes populares, semelhante ao Vasco. A maioria da classe A do Rio de Janeiro torcia, na verdade, era pelo Botafogo.

Torcidas em São Paulo

1º Corinthians – 29%
2º Palmeiras – 17%
3º São Paulo – 15%
4º Santos – 9%
5º Portuguesa – 2%
Nenhum – 28%

> Entre 10 e 17 anos:

1º Corinthians – 38%
2º Palmeiras – 15%
3º Santos – 15%
4º São Paulo – 14%
Outros ou nenhum – 18%

> Análise:

O Corinthians já era um clube de massa em São Paulo, com tendência a ampliar a vantagem, graças a popularidade entre os mais jovens (apesar do jejum de títulos que se arrastava desde 1954). Mesmo com a geração Pelé, o Santos estava longe de ser uma força na capital. E o São Paulo só tinha margem significativa na faixa acima de 30 anos, entre quem viu a era de Leônidas da Silva.

Chamou a atenção o desinteresse por futebol em São Paulo, de 28%, bem acima de Rio de Janeiro (12%), Belo Horizonte (9%) e Porto Alegre (6%).

Entre classes econômicas – O São Paulo era um “time de rico” (28% da classe A na capital torcia pelo time, contra 20% pelo Corinthians). O Palmeiras era forte na classe média, a B (com 54% de sua torcida), e o Santos tinha 48% de sua torcida entre as C e D.

Torcidas em Belo Horizonte

1º Atlético – 43%
2º Cruzeiro – 42%
3º América – 5%
4º Outros – 1%
Nenhum – 9%

> Entre 10 e 17 anos:

1º Cruzeiro – 46%
2º Atlético – 44%
Outros ou nenhum – 10%

> Análise:

Foi a cidade em que a pesquisa apontou a maior divisão local, com leve vantagem a favor do Cruzeiro, porém dentro de empate técnico em virtude da margem de erro (de 3% a 4% em Belo Horizonte). E os números seguiam praticamente iguais entre os menores de idade. Porém, nesses o América perdia espaço, o que antecipava cenário ruim para seu futuro.

Entre classes econômicas – O Atlético tinha ligeira vantagem em relação ao Cruzeiro graças às classes C e D, com as marcas de 47% x 38% e 48% x 33%, respectivamente. Já o América tinha a maioria de sua torcida nas A e B.

Torcidas em Porto Alegre

1º Internacional – 47%
2º Grêmio – 44%
3º Outros – 3%
Nenhum – 6%

> Entre 10 e 17 anos:

1º Internacional – 54%
2º Grêmio – 45%
Outros ou nenhum – 1%

> Análise:

Foi a única cidade em que dois clubes somaram quase toda a torcida. E também a cidade que teve a maior proporção de fãs de futebol. O Internacional foi também o único clube na pesquisa que alcançou maioria em todas as faixas de idade, sexo ou classe econômica. Porém, no geral, os dados apontam empate técnico, em virtude da margem de erro (de 3% a 4% em Porto Alegre).

Entre classes econômicas – Assim como em Belo Horizonte, a ligeira vantagem do Internacional sobre o Grêmio veio devido às classes C e D, com 48% x 40% e 48% x 34%. Em contrapartida, o Grêmio venceu na B, com 50% x 40% – na A, houve empate.

Quem falou na pesquisa

A pesquisa do Instituto Gallup de Opinião Pública, encomendada pela revista Placar em 1971, adotou o sistema de amostragem probabilística por área, de forma que as 3.120 entrevistas representassem um retrato próximo do real das torcidas em Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre.

As entrevistas foram feitas com limite de seis por ponto de amostragem. A pesquisa estava sujeita a margem de erro estatística de 2% a 3% em Rio de Janeiro e São Paulo (amostras de 960 entrevistas) e 3% a 4% em Belo Horizonte e Porto Alegre (amostras de 600 entrevistas).

Quer ler a reportagem?

A reportagem “Os mais queridos”, publicada pela Placar em 31/12/1971 (nº 94), pode ser conferida na internet, clicando neste link com edições antigas. Ela está entre as páginas 28 e 31. Já a reportagem “O esporte das multidões”, que analisa classes econômicas nessa pesquisa, saiu na edição de 7/1/1972 (nº 95).

Confira abaixo as 4 páginas de cada reportagem em baixa resolução.

> A sugestão de pauta foi do pesquisador de futebol João Ricardo de Oliveira, de Fortaleza.


// Categorias

// Histórico de Publicações

// As mais lidas

Quer ser o primeiro a receber nossas novidades por e-mail?

// TV Verminosos

// Instagram

// Tags

Compartilhe: